A celebração do Domingo de Ramos em Juazeiro do Norte – CE, foi celebrada na colina do horto pelo padre José Ventureli. Em sua homilia, Ventureli fala da entrada festiva de Jesus em Jerusalém fortemente aclamado pelo povo; depois o Evangelho da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, onde são relatados os acontecimentos do julgamento de Cristo. “Julgamento injusto com testemunhas compradas e com o firme propósito de condená-lo à morte” disse.

Antes de abençoar os ramos, o padre José VENTURELI, pároco DA IGREJA Bom Jesus do Horto, explicou aos fiéis a importância da celebração, que marca o início da Semana Santa. Segundo os Evangelhos, o Domingo de Ramos precede a prisão, crucificação e ressurreição de Jesus.

O Domingo de Ramos abre por excelência a Semana Santa. Relembrando e celebrando a entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém, poucos dias antes de sofrer a Paixão, Morte e Ressurreição. Este domingo é chamado assim porque o povo cortou ramos de árvores, ramagens e folhas de palmeiras para cobrir o chão onde Jesus passava montado num jumento. Com folhas de palmeiras nas mãos, o povo o aclamava “Rei dos Judeus”, “Hosana ao Filho de Davi”, “Salve o Messias”… E assim, Jesus entra triunfante em Jerusalém despertando nos sacerdotes e mestres da lei muita inveja, desconfiança, medo de perder o poder. Começa então uma trama para condenar Jesus à morte e morte de cruz.

O Domingo de Ramos pode ser chamado também de “Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor”, nele, a liturgia nos relembra e nos convida a celebrar esses acontecimentos da vida de Jesus que se entregou ao Pai como Vítima Perfeita e sem mancha para nos salvar da escravidão do pecado e da morte. Crer nos acontecimentos da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, é crer no mistério central da nossa fé, é crer na vida que vence a morte, é vencer o mal, é também ressuscitar com Cristo e, com Ele Vivo e Vitorioso viver eternamente. É proclamar, como nos diz São Paulo: `“Jesus Cristo é o Senhor”, para a glória de Deus Pai´ (Fl 2, 11).

Não há mais nada aqui.
Próximo A esperança no "Padim"